fbpx
FM Cittadinanza - P.IVA 04358910166 - Itália
+39 0345 1821789
contato@fmcittadinanza.com

Estou ilegal na Itália. Posso me casar?

FM Cittadinanza

O cidadão estrangeiro que encontra-se ilegal no território italiano pode contrair regularmente matrimônio. (Circular do Ministero dell’Interno nº 21 de 26/07/2011).

Fonte: Consulado-Geral do Brasil em Roma

O casamento do estrangeiro não pode ser limitado pela condição de regularidade.

A decisão do Tribunal Constitucional

13 de agosto de 2011 – O casamento é um direito fundamental e, como tal, não pode ser limitado pela regularidade ou não da estada do estrangeiro.

Decisão importante do Tribunal Constitucional, número 245, de 20 de julho de 2011, que declara a ilegitimidade constitucional do artigo 116 do Código Civil. na parte em que estabelece que, para se casar na Itália, o estrangeiro deve estar de posse de uma autorização de residência válida, na verdade reabre a possibilidade de cidadãos estrangeiros, mesmo os irregulares, contratarem matrimônio.

Artigo 116 do Código Civil Italiano

Como é sabido, esta possibilidade foi limitada a cidadãos estrangeiros que estavam regularmente presentes no território pela lei no. 94 de 15 de julho de 2009.

Antes da reforma, o artigo 116 estabelecia que o estrangeiro que desejassem contrair matrimônio na Itália deveriam apresentar ao funcionário apenas uma licença emitida por sua missão diplomática, atestando o livre-arbítrio (ou seja, a falta de outras relações conjugais).

Com a reforma em 2009, além da Nulla Osta, o estrangeiro também foi obrigado a apresentar um documento atestando a regularidade da estada. Isso basicamente significava que o estrangeiro irregular não poderia se casar.

A questão

A questão, levantada por um tribunal de Catânia, enfatiza como o casamento é uma expressão de liberdade e autonomia da pessoa, de modo que o direito de contratá-lo livremente é o objeto de proteção primária assegurada pelos artigos. 2, 3 e 29 da Constituição, por se enquadrar na categoria de direitos humanos invioláveis.

O Tribunal de Catânia, na provisão de encaminhamento aos juízes supremos das leis, observa que este direito tende a proteger a plena expressão da pessoa humana, e como tal deve ser garantido a todos em posição de igualdade, como um aspecto essencial da dignidade humana, sem discriminação injustificada.

Além disso, o art. 31 da Constituição, ao prever que a República facilita “a formação da família”, exclui a legitimidade de limitações de qualquer tipo à liberdade matrimonial.

O direito de contrair matrimônio é um direito fundamental

O direito de contrair matrimônio é um direito fundamental da pessoa reconhecida também pela Declaração Universal dos Direitos do Homem (artigo 16º), pela Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (artigo 12º) e pela Carta de Direitos Fundamentais da União Europeia (artigo 9º).

A resposta do Tribunal Constitucional

O Tribunal Constitucional, ao abordar a questão postal, afirma que o Legislador italiano está certamente autorizado a ditar regras, não claramente desarrazoadas e não conflitantes com obrigações internacionais, que regulam a entrada e permanência de estrangeiros de fora da UE na Itália.

Essas regras, no entanto, devem sempre ser o resultado de um equilíbrio razoável e proporcional entre os diferentes interesses, de hierarquia constitucional, implícito nas escolhas legislativas no campo da disciplina de imigração, especialmente quando são susceptíveis de afetar o gozo dos direitos fundamentais. , o que certamente inclui o de contrair casamento.

Sendo um direito fundamental e inviolável, pertence ao indivíduo como ser humano, não considerando de modo algum o ser estrangeiro ou não, em condição de regularidade ou não.

O contraste que o Estado implementa em relação à imigração ilegal é legítimo, mas deve ser regulado e implementado equilibrando os interesses do Estado e dos indivíduos, sem criar excessivas desproporções que comprimam o exercício dos direitos fundamentais.

A vontade do Estado, através da introdução da norma censurada pelo Tribunal Constitucional, era se opor aos chamados casamentos confortáveis, aqueles casamentos que são celebrados com o único propósito (às vezes até em troca de dinheiro), de obter ao estrangeiro uma autorização de residência.

De acordo com o Tribunal, no entanto, “a prestação de um encerramento geral na celebração do casamento, quando um dos nubentes é um estrangeiro não regularmente presente no Estado, é um instrumento não adequado para assegurar um equilíbrio razoável e proporcional dos diferentes interesses envolvidos”. . Afinal, a legislação atual já prevê certas hipóteses regulatórias para neutralizar os casamentos de conveniência, como, por exemplo, o artigo 30, parágrafo 1-bis, do Decreto Legislativo no. 286 de 1998.

A declaração de ilegitimidade constitucional do artigo 116 do Código Civil, na medida em que prevê, como condição para a celebração do casamento, a regularidade da estada do estrangeiro, restabelece, assim, um direito fundamental à formação de uma família.

Condições para se casar

Restam, para o estrangeiro, como condições para o casamento, do ponto de vista formal, a apresentação ao funcionário do estado civil da autorização emitida pela autoridade competente de seu país e, do ponto de vista substantivo, o cumprimento das condições estabelecidas pelo Legislação italiana sobre a capacidade de contrair matrimônio (entre outras coisas, liberdade de estado, idade mínima) e a ausência de impedimentos pessoais (por exemplo, impedimentos de parentesco e afinidade).

Adaptando-se à decisão do Tribunal Constitucional, o Ministério do Interior emitiu a circular n. 21 de 26 de julho para informar os organismos interessados ​​da mudança legislativa superveniente.

Anexos para consulta:

E viva a liberdade, o amor e a família!

 

Responder